Artigos

Manutenção de Torres de Resfriamento. O que esperar?

Porque muitas vezes a manutenção de torres de resfriamento acaba numa frustração em relação ao resultado esperado?

Seja uma manutenção preventiva, corretiva, uma recapacitação térmica ou até uma manutenção emergencial, a intenção do cliente é sempre obter um resultado que atenda ao seu objetivo final, que é obter o resfriamento da água do seu processo industrial.

Muitas vezes o mercado não entende isso, o técnico realiza uma inspeção e já sugere a troca do enchimento, dos bicos, do conjunto eliminador de gotas e de outros componentes, algumas vezes desnecessariamente e com o único objetivo de “empurrar” peças e agregar mais valor à mão de obra que também será objeto da sua proposta.

O que muitos fornecedores se esquecem é que o objetivo do cliente é resolver um problema, não das torres de resfriamento em si, mas de uma troca térmica deficiente que ocorre no seu processo produtivo, ou, no caso de uma manutenção preventiva, garantir que a torre oferecerá o resfriamento de água necessário para manter o pleno funcionamento da sua linha de produção.

Nem sempre o cliente está procurando uma mera “troca de peças”, e nem sempre o cliente consegue identificar a real situação da sua torre e do processo como um todo. Cabe ao fornecedor ampliar a avaliação do problema e orientar o seu cliente de forma que ele compreenda melhor a situação, não só da torre, mas do resultado esperado depois da sua revisão.

Muitas vezes, o desempenho deficiente de torres de resfriamento não está somente nas condições do conjunto de enchimento ou do eliminador de gotas, mas em outros fatores que cabe ao avaliador identificá-los e oferecer uma visão mais ampla ao cliente da verdadeira situação do processo.

Não entendo o funcionamento da torre, o que eu faço?

É sabido, por exemplo, que a temperatura de bulbo úmido, um parâmetro que implica diretamente na troca térmica da torre, sofreu um aumento em razão das mudanças climáticas ocorridas nos últimos anos. Também é preciso observar se o cliente não fez mudanças no seu sistema de tubulação de água fria e quente, e se não houve acréscimos de equipamentos, mudanças operacionais, ampliação de produção ou outras ações que possam ter provocado a queda de desempenho de torres de resfriamento, incapacitando-a de oferecer o resfriamento necessário que a produção exige.

Assim como um motorista não precisa entender detalhes do funcionamento do seu carro, um cliente também não precisa conhecer os detalhes operacionais de uma torre de resfriamento e do processo de troca térmica, e é obrigação do fornecedor especializado dar todo o suporte necessário para que a intervenção resulte em sucesso, e não num fracasso muitas vezes difícil de ser explicado após um investimento feito com um objetivo que muitas vezes acaba ignorado pelo fornecedor.

A torre de resfriamento não está atendendo o processo industrial? Porque? Há realmente uma queda de desempenho por conta da deterioração de componentes ou da falta de uma limpeza? Se realizadas estas manutenções reestabelecendo o pleno funcionamento da torre, ela será mesmo capaz de atender à necessidade da produção?

É muito cômodo para o fornecedor dizer que “fez a sua parte”, que reparou a torre, que daí pra frente é problema do cliente verificar o restante para saber onde está o problema, ou seja, o real objetivo não foi atingido, e o problema persiste.

Como explicar à direção da empresa que houve um gasto sem os benefícios esperados? O que esperar do fornecedor se ele já lavou as suas mãos?

O verdadeiro objetivo que era solucionar um problema, ou antecipar que ele viesse a ocorrer futuramente (no verão, por exemplo), não foi atingido, porque a simples revisão do equipamento não foi suficiente para atender a essa vontade, e isso deveria ter sido visto antes, na ocasião da inspeção técnica realizada pelo especialista.
Se antes da manutenção o fornecedor identificar as limitações do sistema e oferecer um retrato mais fiel e abrangente da situação ao cliente, lhe tornará possível tomar decisões mais acertadas, na forma até de um upgrade na torre, muito mais fácil e barato de ser feito durante uma reforma. Muitas vezes a simples troca de um enchimento tipo grade trapezoidal por outro modelo filme colmeia já é capaz de oferecer um ganho de 20 a 30% na troca térmica (modelos de alto desempenho), e apesar de seu valor mais caro, há de se descontar o que se gastaria no modelo menos eficiente e numa nova atividade de mobilização e troca deste enchimento.

Outras vezes, antecipar os resultados pode encaminhar o cliente para uma ampliação ou mesmo uma troca do equipamento atual, e um custo desnecessário de reforma naquele momento pode ajudar a minimizar o impacto de custos desta ampliação.

O fornecedor deve oferecer ao cliente todas as possibilidades para que ele possa tomar a melhor decisão, e não simplesmente se limitar a “fazer a sua parte e lavar as mãos”.

É muito comum o fornecedor se limitar a dizer que o enchimento “saturou” e precisa ser substituído. Novamente, numa visão mais ampla, caberia ao fornecedor verificar se o tempo em que ocorreu essa saturação está condizente com o que se espera desse componente, ou se houve um entupimento prematuro. As condições da água e o próprio processo podem ocasionar uma saturação antecipada do enchimento, obrigando a sucessivas trocas em curto espaço de tempo, quando um melhor tratamento da água ou a utilização de um enchimento com aditivos para reduzir a incrustação seriam mais eficientes.

A troca de hélice frequente do ventilador de uma torre de resfriamento também pode ter uma origem que merece ser investigada e corrigida. O arraste de gotas que atingem a borda de ataque das pás da hélice pode ser uma causa de desgaste prematuro. A correção dos painéis eliminadores de gotas ou mesmo a utilização de componentes com melhor desempenho de retenção poderiam ser soluções mais interessantes, eliminando a real origem do problema. Novamente, cabe a um especialista identificar isso. O cliente não tem a obrigação de conhecer esses detalhes.

Antes de realizar uma manutenção numa torre de resfriamento, é preciso entender bem os motivos da solicitação, as reais causas do problema, o seu objetivo final, e antecipar os resultados para que a missão seja cumprida com êxito.

Gostaria de mais informações acesse: http://torreresfriamento.com.br/tr/24/torre-de-resfriamento-funcionamento/o-que-e-uma-torre-de-resfriamento/

Este texto é propriedade intelectual da Termoparts Equipamentos Industriais, e está protegido pelas leis de direitos autorais, não sendo permitido a sua cópia, divulgação, reprodução ou qualquer outro uso não autorizado pelo seu autor. A não observação destas exigências implicará em sanções legais aos infratores.